sexta-feira, 10 de abril de 2015

Sonhando comer Uvas orgânicas!

                               PARREIRAL na FÊNIX

Já estamos há 3 (três) meses em preparação, buscando o conhecimento e profissionais parceiros além de escolher uma das 2 (duas) áreas disponíveis e fazer análise da terra.
Neste tempo também iniciamos o curso de Agroecologia no IFSC-Instituto Federal de Santa Catarina, conseguimos mobilizar vizinho Sr. Valdir a contribuir com conserto de cerca que protege a mata, ao final da trilha do rio, na sequência da divisa com vizinho sr. Osni. Sr. Osni foi pro-ativo, revendendo no custo alguns palanques tratados e indicando o cavador de buracos, sr. Amândio, o qual arrumava as dele. Então, foi resolvido, o que há 2 (dois) anos incomodava: gado do sr. Chimilla a destruir a floresta.
Fato maravilhoso foi o nascimento do neto Gustavo Floriani Goss, eu ficando poucos dias na cidade onde mora e recebendo-o por visitas prazerosas aqui na chácara Fênix juntamente com seus pais. Abri a possibilidade do genro Ricardo assar uma carne,  confiando no velho ditado "o fim justifica os meios", já que o ganho foi o entrosamento das famílias num convívio mais esreito e harmonioso.  Na verdade, se realmente  o interesse maior fosse a amizade, qualquer pessoa sujeitaria-se a um regime lacto-ovíparo-vegetariano. Eu também assumo parte da responsabilidade, por não fazer pratos veganos  criativos e vistosos, além de estar cansada.


Levei aquele tombo, que exigiu 3 (três) semanas de repouso e outros tempos para realizar consultas e exames, faltando ainda buscá-los e retornar ao otorrinolaringologista.

Vários atores já auxiliaram no projeto Parreiral na Fênix: agrônomos Paulo Macedo de Oliveira, irmão de minha nora, e funcionário da Secretaria de Agricultura. Agrônomo Humberto da EPAGRI. Ambos orientaram na colheita de amostras da terra e estiveram aqui, avaliando a Lomba Oeste medindo e planejando o plantio além do quebra-ventos nos lados oeste, leste e Norte, este último próximo à porteira, na cerca da frente da propriedade.

A análise da terra foi feita pela agrônoma Ana Elisa Velho, do Laboratório Brasil Sul de Análises-Labrasul (www.labrasul.com). Já estamos com a receita para correção do solo (calcário dolomítico, fosfato natural e esterco de ovinos) com as doses e prazos de aplicação recomendados. Agrônomas Ana Sembramel e Maria Sueli Eberle Mafra entram com as orientações dos sistemas de condução, avaliações de custos de implantação do pomar, maiores facilidades de manejo, variedades adequadas e de meu gosto, além dos fornecedores das mudas, as quais devem ser encomendadas até maio e plantadas em julho.

Buscamos esterco de ovinos na EPAGRI com agrônomo Cláudio (adubou a cebolinha-verde!) e pela conversa aprendi algo sobre como criar e manejar ovelhas, cultivar as pastagens, além de adentrar num aprisco de mais de 80 anos, construído com a madeira nobre de pinheiro araucária. Ajudei-o a puxar as fezes dos animais, com pesados rodos de madeira e depositar num tanque de concreto para  o João, filho do vizinho João Fernandes carregar na saveiro e descarregar aqui ao relento, numa depressão no solo da Lomba Oeste.  Neste setor da EPAGRI,  fizeram melhoramento genético nas raças Francesa (só tem pelego no lombo!) e  Lancôme, ambas com aptidão leiteira. Ótima opção de renda e o Guilherme já sugerira ter uns animais dóceis destes na Lomba Leste, onde até os capins emátria já estão plantados!  Espetacular a metodologia usada: a sabedoria das avós são valorizadas sendo elas professoras dos filhotes. Veja a foto, respeitam a cerca-elétrica e aprendem o que precisam para bem-estar e segurança!







Ganhamos 16 ciprestes do agrônomo Constâncio, na EPAGRI, que estava em seu último dia de trabalho antes de aposentar-se 

 e comprei outros, além de sobra de 4 mudas ganhas de Álvaro e Sueli. Estes doaram algumas mudas de frutíferas já plantadas e há as pitangas e cerejas aguardando desde o inverno de 2014. Agora disponho das jovens pioneiras araucárias que semei aqui, podendo dar suporte de meia-sombra a elas.

As áreas degradadas estão em plena recuperação, já com quase totalidade de cobertura verde, o que muito me alegra. Além dos quebra-ventos há o Caminho da Chegada, queimado pelo vizinho sr. Edson, que chamuscou as hortênsias e álamos que eu não cortara durante as roçadas e que o gado solto da vizinhaça não devorara.

Hoje Sr. Amandio inicia a escavação dos berços para as mudas, pois covas são para os mortos! E  por falar nisso, uma cobra coral foi encontrada na horta, aquecendo-se sobre as palhas e debaixo da lona preta, que eu estendera para preparar um novo canteiro.





Será no sistema LATADA, numa área de 9m X 14m,  com  24 mudas:  Isabel, Bordô e Niágara Rosa e Branca, agradando filhos e netos, com saborosos frutos e suco delicioso! 
Desejo a todos meus irmãos humanos que vivam um dia de cada vez, curtindo e experenciando as vivências com presença e inteireza! Paz além de todo o entendimento!



2 comentários:

  1. Vera Márcia
    Cara amiga !
    você é um exemplo de mulherão: guerreira, dinâmica, determinada, sua propriedade será um exemplo,acompanho seu esforço! gGstei do documentário, continue com esta ferramenta, voce sabe o quanto é importante termos a história viva registrada. Um abraço

    ResponderExcluir
  2. Vera Márcia
    Cara amiga !
    você é um exemplo de mulherão: guerreira, dinâmica, determinada, sua propriedade será um exemplo,acompanho seu esforço! gGstei do documentário, continue com esta ferramenta, voce sabe o quanto é importante termos a história viva registrada. Um abraço

    ResponderExcluir